Hoje, no Facebook

Cobra no avião

Hoje à tarde escrevi isso no Facebook:

Vocês vão me achar ridícula, mas desde ontem eu estou numa tristeza só por causa dessa cobra, coitada, que não sabia onde estava se metendo quando foi parar na asa do avião da Qantas. Achei horríveis as fotos mostrando o sangue dela, e fico de coração apertado imaginando como se assustou e como sofreu ao longo do voo.

Se eu estivesse numa janela com vista para esse bicho lutando pela vida não sei o que seria de mim.

RIP, cobrinha desavisada.

Várias pessoas comentaram. Algum tempo depois, fui obrigada a fazer outro post:

Quando manifestei minha tristeza pela situação da cobra que foi parar na asa do avião da Qantas, era apenas isso o que eu estava fazendo: manifestando tristeza com a sorte daquele específico animal. Mas as pessoas estão tão bitoladas pelo politicamente correto que houve quem me recomendasse economizar a compaixão pela cobra para, em vez disso, me afligir pela humanidade.

Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Não consigo ver uma cobra sofrendo e pensar: “Coitadas das pessoas pobres e desassistidas!” Quando vejo uma cobra sofrendo, eu penso: “Coitada daquela cobra sofrendo!”.

Lamento se isso é um pensamento elitista, reacionário ou pequeno-burguês, mas é o único que me ocorre na inusitada circunstância.

Por outro lado, prometo aos ofendidos que, da próxima vez em que me deparar com uma pessoa sofrendo, não vou pensar: “Coitada daquela cobra do avião da Qantas!”.

Anúncios

32 respostas em “Hoje, no Facebook

  1. Nossa, eu nem tinha visto essa foto da cobra antes, mas assim que vi aqui fiquei logo chocada e triste de ver o sangue da bichinha espalhado no aviao, horrivel. Ai fui ler o seu post e vejo que as pessoas estavam reclamando que voce se sentiu triste pela cobra, i-m-p-r-e-s-s-i-o-n-a-n-t-e! Mas a sua resposta foi excelente, Cora, vou ler varias vezes pra poder usar quando me falarem uma abobrinha parecida futuramente!

  2. Cora, querida, nem se dê o trabalho de responder a pessoas que fazem comentários imbecis desse tipo. Saiba que tal tipo de reação só parte de pessoas amargas, e principalmente: que não fazem nada por NINGUÉM: nem pelos animais, nem pelos humanos. Quem conhece o sofrimento e trabalha em prol dos necessitados (sejam humanos, sejam animais desamparados) jamais teria a falta de sensibilidade de dizer tal asneira, pois sabe que qualquer sofrimento é sofrimento, e causa pena, dor e solidariedade em quem de fato é sensível. O fato de se tratar de um animal não modifica nada, mas infelizmente o mundo anda cheio demais de gente que não pensa assim, e é por isso que a cada dia vemos as notícias mais horripilantes nos jornais!…

  3. Coitadinha da bichinha. Que momentos terríveis de desespero ela deve ter passado ali. Quando vi a foto me deu um apêrto no coração. As pessoas que nos criticam por amarmos os animais são frias e insensíveis e não são gente boa. Quero distância destas pessoas.

    • Conccordo totalmente. Sou vegana e sofro diariamente com tanto massacre de animais em matadouros, centros de zoonoses, zoológicos, enfim. Além da já conhecida psicopatia humana, que, indubitavelmente, se inicia com maus-tratos a animais. Não gosto de quem não AMA os animais. Como disse a Cora: “Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”. Quem não cuida de animais não cuida de ninguém.. Normalmente, quem abre a boca são os frios e insensíveis (entre outras coisas). Conheço-os bem desde que iniciei meu trabalho voluntário de proteção animal em 2007.

  4. ahahaaha li no seu face e concordo. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa….
    O “povo’ anda cheio de neura…

  5. Tem gente que se apieda e cuida de crianças, animais, plantas e etc.
    Tem gente que se apieda e cuida de crianças.
    Tem gente que se apieda e cuida de animais.
    Tem gente que ama e cuida de plantas.
    Tem gente que não cuida de crianças, nem de animais , nem de plantas nem de nada. (esses estão sempre prontos a opinar, qq coisa referente a crianças, animais, plantas e etc..)

  6. Ah, Cora! Fica doida de uma vez, e diz pra essa gente, que se servisse de remédio, você daria uma criancinha pra cobra comer.
    Mas tem que dizer com convicção!
    Sei que não precisa de porta-voz, mas na próxima pode me chamar que eu respondo por você!
    🙂

  7. Como tem gente “tapada”, não consegue nem ler o que está escrito: “estou com dó da cobra” e ponto.

  8. Cora,
    Vamos começar perdoando os sem-informações (os que aprendem algo na infância e seguem pela vida sem ampliá-lo e nem ao mesmo, verificar se o que aprendeu e cristalizou… procede):

    (…) as cobras tem a função de comer insetos que prejudicam a natureza e a vida humana. Falou ainda das cobras não venenosas que se alimentam de outras cobras, principalmente das venenosas. No complemento à sua declaração, o Senhor José informou que o veneno de cobras, além de fornecer o soro antiofídico, que serve para combater os efeitos da própria picada, produz várias espécies de vacinas, e que o conhecido Captopril, (o “famoso” Captotec) que controla pressão arterial alta, é feito com veneno da Jararaca.

    Confirmou que testes estão sendo feitos em laboratórios, utilizando o veneno dessas serpentes, na cura do câncer de mama e da AIDS.
    Fonte: WebJornal Kaboratório.

    Agora é a vez dos que têm ‘corações quitinetes’ (onde só cabe um, mal e porcamente). Os que não entende que corações são extensivos e que se pode construir adendos, alpendres, varandas e sobrados, criando-se espaço,. ampliando-o conforme a necessidade e a vontade do frequês.
    Nem todos nasceram para cuidar de crianças ou de idosos (não consigo ver diferença de mérito. É uma atividade de doação PONTO ). Alguns até, gostam de cuidar de todos ou só de plantas e/ou animais. Ou apenas de si próprio. Vamos respeitar à DIFERENÇA. Quem corta unhas de velhinhos não é melhor ao meu ver, do que uma conhecida que foi detida pela polícia, por estar passado remédio num coqueirinho, na orla de Copacabana, tentando salvá-lo (não pode!). Ambos os tipos de ‘cuidados’ são necessários à Sociedade e quem a eles se dedicam ou se sensibilizam, demonstram que são ‘gente de bem’. Amor é a coisa mais ‘fits all’ que existe…

    (E se vez de uma cobrinha fosse um panda vermelho? Ou, como o aprendi hoje – c/os Ambientalistas em Rede, o quokka ( é uma mamífero australiano e, por conta de seus traços, parece estar sempre feliz) – estaríamos liberados para o exercício de compaixão pelo seu triste e prolongadamente doloroso fim?

    “o espírito dorme na pedra, respira nas plantas, move-se nos animais e pensa no homem”

    Bom sábado e boa sorte, Norma

  9. Ai, Cora, já perdi totalmente a paciência com esse povo sem noção. Eu posto toda hora aviso de animais perdidos ou encontrados no face e sempre tem um engraçadinho perguntando porque não ajudo criancinhas. Em primeiro lugar, porque tenho o direito de escolher a que quero me dedicar. Em segundo, pra procurar criancinha deve ter polícia, que se interessa por criancinha perdida ou roubada mas pouco se lhe dá aos animais – vide o caso da sua Pipoca da portaria, quando foi sequestrada e a polícia não queria registrar.
    Por morar na roça eu desenvolvi ainda mais a simpatia pelos mais diversos animais e confesso não ter coragem nem vontade de matar sequer uma aranha.
    Hoje, por exemplo, estou super feliz porque um dos meus franguinhos que estava muito doente, reagiu à medicação e parecia bastante bem hoje pela manhã. E antes que alguém se manifeste, eu medico sim, minha familia penosa. Eles tomam vermífugo, vitamina e antibiótico quando ficam doentes. 😉

    • Marise, penso igualzinho. Tive várias galinhas e um galo (garnizé) que viveram felizes no galinheiro e morreram de velhos e a última viveu 21 anos). Quando alguém me diz que eu deveria ajudar as criancinhas e não os animais eu digo que eu ajudo a quem eu achar que precisa mais e claro que ajudo a muita gente também e faço aquela clássica pergunta: “e você ajuda as criancinhas???” e geralmente quem diz essas coisas nunca ajudou ninguém…

  10. há pessoas incapazes de concordar, por mais ridículo que seja discordar.

    é gente que, por não ter a capacidade de concordar, nem a humildade de se manter calada, precisa arranjar argumentos para discordar ou mudar o rumo da discussão, pela discórdia.

    via de regra, é gente que discorda de sua emoção e contrapõe algum argumento descabido como as dores da humanidade.

    da mesma maneira que discordaram de seu sentimento (legítimo) pelo sofrimento da cobra agonizante, discordariam de seu apoio à condenação de um criminoso (porque o criminoso pode ser uma vítima injusta dessa sociedade cruel), ou à prisão de um corrupto (porque ele não é o único, nem é o primeiro). simplesmente discordam e vomitam um argumento idiota que não se aplica ao caso.

    só não sei se merecem ser chamados de “politicamente corretos”; prefiro o popular: “sem noção”.

    • analisamos o mundo de acordo com o que conhecemos, sentimos.

      outra maneira de dizer a mesma coisa: enxergamos o mundo de acordo com nossa ignorância e insensibilidade.

      há gente pouco capacitada para amar, tratar bem. quando essa gente pensa sobre a capacidade alheia de amar, tratar bem, normalmente, toma como medida sua própria – e pequena – capacidade de fazê-lo. é aí que a pessoa denuncia sua limitação, sem compreender que o faz, dizendo coisas como “por que adota um cão, em vez de uma criança?”

      no coração de gente pouco capacitada para amar não cabem um cão e uma criança; é gente que joga o cachorro fora quando nasce um filho, gente que substitui o filho por um cão. gente assim nem imagina que possa haver alguém capacitado para amar, tratar bem, cão, gato, marreco, papagaio, criança (abandonada ou não, portadora de deficiência ou não, honesta ou não etc.), idoso, preto, branco, amarelo, verde, cor-de-rosa, cubo e quadrado – tudo ao mesmo tempo.

      amar, tratar bem, importar-se com, tanto faz… há gente mais capacitada, gente menos capacitada, gente incapaz.

      não sabemos tudo, nem usamos tudo o que sabemos o tempo todo: essa é a medida de nossa ignorância, que pode ser total, ou parcial, mas é nossa, enquanto a carregamos, enquanto não abrimos mão dela, com experiências que nos façam crescer.

      é por isso que há quem pouco se importe com os mortos de um avião que caiu lá do outro lado do mundo, porque não daria conta de sentir nada, nem um segundo de comoção, um pingo de sofrimento, e ainda sair da cama para alimentar o filho ou o cachorrinho. a ignorância protetora garante que essa pessoa pouco capacitada para as dores do mundo dê atenção a umas e não a outras, e não entre em colapso, largando de vez todas elas.

      e é por isso também que há quem pouco se importe com nada, que nada faça.

      esse mundo tem gente matriculada em todas as séries na escola da ignorância. nós, inclusive, que não ignoramos isso, mas ainda temos muito a aprender.

  11. Pessoas que sofrem pelo sofrimento animal na sua maioria se sensibiliza com a dor do ser humano. E pessoas que criticam e se querem “orientar” até a dor alheia normalmente não faz nada, nem para humanos nem para animais…esse criticos são sim çerezumanos apenas.

  12. O que será que os “politicamente corretos”, que chamo de desavisados ou insensíveis sentem quando lerem o que escrevo sobre Roberto Carlos e sua compaixão por qualquer ser vivo? Sobre a história da libélula, que ele salvou, já escrevi aqui uma vez. Sobre o sapo, não conhecia. Eis o trecho de um site: “Certa vez [Roberto Carlos] foi quase detido em Miami porque parou na estrada para socorrer um sapo atropelado. Chegou também a transportar uma libélula machucada numa viagem de avião.” (http://www.nossajovemguarda.com.br/2012/09/roberto-carlos-detalhes-da-vida-do-rei.html
    É muito difícil assistir à morte de qualquer ser vivente. O “grande público” desconhece quem tem vida. Infelizmente…
    (Para esclarecer: não sou fã da arte do RC e a música mais bonita que ele canta e da qual gosto, é Outra Vez, de Isolda.)

  13. Faz muito tempo, desde que conheci essa moda na verdade, que detesto o tal politicamente correto.
    Fiquei com pena da cobra também quando vi a notícia e o vídeo.

  14. Às vezes acho que é o envelhecimento ( será?!) ou será porque fomos criados junto à Natureza…… e ela é inteira, ela não é dividida em partes, e é um mundo de infinitas descobertas, sempre! E……….. sobretudo……… nada era inimigo da gente, nada mesmo!
    Saúdo que ama tudo isso……… com muita alegria!

  15. É que você foi deveras criativa na sua compaixão, @cronai, e estas são pessoas que precisam seguir uma cartilha menos abrangente.
    Se este discurso de proteger ou sentir pena dos pobres e oprimidos fosse perigoso, diferente do status quo, ou proibido- como já o foi, num período dramático da História do Brasil- a maioria destas pessoas que o repete, igual CD arranhado, estaria escondida debaixo da cama. Que aliás, era onde a mãe de uma amiga procurava os comunistas, antes de dormir.
    Triste episódio, no geral e não apenas pela cobra.

  16. Uau Cora !
    Parabéns pelo seu lado humano grandioso,que é um reflexo da sua compaixão por um animal,mesmo que seja uma cobra;eu também senti um grande mal estar e tristeza ao ver essa foto e imaginar o terrível sofrimento que ela passou …

  17. Cora, acho q eu ajudei a alimentar a polêmica do seu post, ao comentar seu post qdo me referi ao cidadão q foi dar essa lição de moral nada a ver c o assunto em voga. Mas é q a falta de compaixão das pessoas me dá nos nervos. Me desculpe se eu causei, não era minha intenção, na vdd nem gosto muito desse tipo de bate-boca q não chega a lugar nenhum, já q eu teria q tentar impor meu ponto de vista, o q eu não acho legal além de ser perda de tempo.
    De qq forma, foi bom ver q muita gente tb não se anestesiou pela insensibilidade desse mundo maluco.
    Um abraço!

    • Imagina, você mandou muito bem! Resolvi escrever de novo porque apareceu até um camarada — bem intencionado — perguntando por que as pessoas não adotam criancinhas em vez de cachorros. Aí foi demais para a minha saúde…

      • Deus proteja as criancinhas de serem adotadas por gente que pensa que cães abandonados não mereçam adoção, ou que o amor de alguém por um cão abandonado signifique desamor pelo humano mais próximo. Deus proteja as criancinhas dessa gente hipócrita que lança um argumento vazio contra os outros apenas para dizer que tem uma opinião.

        • Infelizmente, Cláudio, adotam. Discurso pronto, chato e ignorante: “E as criancinhas”? Protetores de animais ouvem isso frequentemente. 😦

  18. Nossa, como tem gente chata nesse mundo, misericórdia…Não tenho muita paciência com o “politicamente correto”, geralmente a pessoa que age assim fulltime costuma ser uma mala pra lá de pesada…Ser uma pessoa do bem , que respeita a vida dos outros já é o suficiente para o mundo dar uma melhoradinha. E isso vale para quem se preocupa com os animais;não tenho a menor simpatia por cobras, mas também fiquei com pena da bichinha, agonizando nesse avião.

  19. Vivemos numa era insuportável. O “politicamente correto” é sempre tão carregado de hipocrisia que sinto um misto de raiva pela imbecilidade desses pseudo-humanistas e de preguiça imensurável para me manifestar a respeito. E sabe o que é pior? Quando a gente faz alguma coisa “pela humanidade”, a crítica é porque não fazemos para uma porção específica dessa humanidade. Falo com conhecimento de causa.
    Ativistas de Facebook, bah. Não enxergam um palmo à frente de sua obtusidade.

  20. Cora, Percebeu que um doas aspectos dessa situacao que as pessoas esto perdendo a sensibilidade?

    RIP pessoas sensveis…. Beijinho Valeria

Diga lá!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s