Os segredos do Ovinho

“Prezada Cora

Meu nome é Guilherme Barretto Giorgi, sou diretor executivo da Refinaria Nacional de Sal – produtora do sal Cisne. Escrevo lisonjeado pela referência à nossa marca em sua crônica em O Globo de hoje. E também para contar os “segredos” dos saleirinhos Ovo:

— a tampa: os  chapeuzinhos mantém seco o ralinho por onde o sal sai e isso evita seu acumulo ali, causando entupimento. Você pode notar – inclusive em outro produto nosso, o saleiro “Pipoqueiro” (500g) – que algumas vezes acontece do sal estar seco dentro do saleiro mas este, por estar com os orifícios de saída do sal obstruídos pelo acúmulo de sal úmido, não funcionar.

— tipo do sal: de fato, reutilizar os saleiros com o sal Cisne Tradicional (saquinho de 1 kg) não é a mesma coisa que usar um Ovinho “zero kilometro” pois apesar de aparentemente iguais, os produtos possuem grau de pureza diferente (no saleiro, mais puro) e isso influencia na absorção da umidade.

— aditivação: todo sal, para ficar soltinho, contém anti-umectantes – um produto inerte. No caso dos saleiros da marca Cisne, a dosagem desse produto é maior do que no sal Tradicional. Mais um motivo para explicar porque sua experiência em reencher o saleirinho, não funcionou.

Parabéns pelo texto! Boas lembranças são sempre uma viagem gostosa!

Um abraço

Guilherme”