Uma pesquisa educativa

Conquistar seguidores no Twitter é relativamente mais fácil do que manter o seu interesse. Os comandos “Deixar de seguir” – o popular “Unfollow” – e “Block” estão a um clique de distância, e ninguém hesita em usá-los. Nos últimos dias, fiz uma faxina geral na minha timeline, que estava tão poluída que ficava difícil encontrar, em meio a mensagens sem importância, o que realmente me interessa. Dei unfollow sem dó nem piedade em pessoas que acham que o mundo inteiro se interessa pelo que fazem ao longo do dia (“Saindo para o trabalho”, “Preso no trânsito”, “Pausa para um cafezinho” e coisas de igual densidade), em quem dá retuite em todas as notícias que lê e não acrescenta nada de novo, em ativistas de poltrona que acham que sou máquina de retuitar e me pedem RT para as causas mais estapafúrdias e, também, em quem nunca tuita. Este é o caso de Larry Ellison, o CEO da Oracle, que não segue ninguém, nunca deu um pio sequer no Twitter e, ainda assim, tem mais de sete mil seguidores. Ora, quem não sabe brincar não merece ser seguido, não é não? Além dessa faxina, que reduziu consideravelmente o número de contas que sigo – meu sonho é chegar a mil, depois de ter ido a quase 1,5 mil – tenho dado blocks sistemáticos em quem usa palavrões sem moderação, porque ando muito cansada da boçalidade generalizada que assola o país.

Pois estava eu metida nessa azáfama quando, justamente, fui informada, por um tuite, que alguém havia feito um estudo sobre os motivos que levam as pessoas a deixarem de seguir alguém. Fui checar. A pesquisa, de Chris Lake, saiu no econsultancy.com (http://bit.ly/LjxQs9). As principais causas que levam aos cliques no “Unfollow”: barulho (tuites demais) com 52% dos votos; excesso de autopromoção (48%); spam (47%); e temas desinteressantes (43%). Tuites ofensivos e pouco profissionais tiveram 28% dos votos, empatados com incontáveis pedidos de RT; falta de tuites teve 27% e abuso de Foursquare 22%. Essa última categoria chama a atenção para um problema, aliás, que está se tornando cada vez mais comum – aplicativos que postam os resultados de seus usuários quase que à sua revelia. No caso do Foursquare, a divulgação automática no Twitter e no Facebook é o padrão, e deve ser desabilitada; o aplicativo conta, maliciosamente, com a distração de quem o utiliza.

Na pesquisa, além de categorias previamente definidas, havia um espaço para “outras razões”. Saber quais são algumas delas pode ser muito educativo para quem não tem  certeza de como se portar na rede social: empresas que retuitam cada mínimo elogio jamais recebido de seus clientes; gente que tuita suas estatísticas constantemente; egoístas auto-referentes; celebridades que usam ghost-tuiters; pessoas que se atribuem grandes conhecimentos numa ou noutra área mas que, no dia-a-dia, só tuitam mesmo sobre cupcakes ou Big Brother; os que não têm poder de síntese e quebram os assuntos em diversos tuites.

o O o

Uma ferramenta bem útil para quem quer dar uma limpa na timeline é o Just Unfollow (justunfollow.com). Depois de fazer login com o Twitter, somos apresentados a listas com os nossos seguidores e com as pessoas que seguimos mas não nos seguem de volta. Também é possível ver quem está inativo há um mês, três meses ou seis. Aí é só marcar os unfollows, e pronto. O Just Unfollow é grátis, mas tem um limite de 50 unfollows diários . Para ativar o uso ilimitado, paga-se US$ 10 por ano.

o O o

Nunca se desenhou tanto no mundo conectado quanto nesses tempos de Draw Something. Acho que também nunca se venderam tantas canetinhas para tablet, um acessório que se compra para brincar, mas que acaba viciando no trivial simples de quem prefere uma tela limpinha e sem manchas de dedos. Das que conheço, recomendo duas: a Boxwave e a Bamboo, da Wacon, bonitas e bem acabadas. As duas são muito parecidas em precisão e em toque na tela, mas diferentes ao tato: a Bamboo é mais grossa e mais pesada. A Boxwave tem um atrativo extra, um pequeno plug que se encaixa na saída para headphones e a mantém sempre à mão. As duas podem ser encontradas à venda online, no Brasil e no exterior; a Boxwave pode ser comprada direto do fabricante (http://bit.ly/L9onDg), que a envia para o Brasil a US$ 20 (frete de US$ 5 incluído). A Wacon não despacha para fora dos Estados Unidos, mas a Bamboo pode ser encontrada para pronta entrega em vários sites brasileiros, a um custo aproximado de R$ 75. E, para brincar com as canetinhas, um bom aplicativo para iOS é o Hello Color Pencil: sua versão básica é gratuita, e ele permite “desenhar” em 12 cores com lápis, pilot e pincel. A isso se podem acrescentar 32 cores e vários livros para colorir a um dólar cada.

(O Globo, Economia, 9.6.2012)

Anúncios

30 respostas em “Uma pesquisa educativa

  1. eu nunca achei muita graça no passarinho e há tempos não entro lá, se você me faxinou, tudo bem. quanto ao pc chato (redundância) lá de baixo, é como dizia minha vó: como tem gente boba no mundo.
    []’s

  2. …Eu confesso estar cansado da ditadura velada do politicamente correto. A impressão que fica é que um bando de “almas sensíveis” tomou o poder e deseja impor aos outros seu estilo acovardado de vida. …
    Este texto de hoje no O GLOBO escrito pelo Rodrigo Constantino vem ao encontro do uso da “faxina” no comentário acima.
    Brilhante !
    Está na integra ( Falta Coragem ) neste blog:
    http://rodrigoconstantino.blogspot.com.br/

  3. Cora,
    Alguma destas canetinhas sugeridas nos permitem escrever com a letra como no papel? Digo isso porque quando uso a que comprei só sai garrancho e me disseram que assim é com todas…
    Obrigada!

  4. O curioso é que, de um modo geral, os comportamentos que justificam a faxina têm pouco peso, parecem ser considerados ‘pecadillos’ irrelevantes e sem importância; mas o ato de fazer a faxina, eliminando quem comete estes comportamentos desagradáveis, parece ser uma ofensa mortal, um ato indesculpável…

    x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

    Sou fã de carteirinha dos produtos Wacom (já tive um ArtPad com conexão Serial pré-USB; um Graphire4 6×8″; e tenho um Cintiq12 e um recém-comprado Intuos5 Touch – Medium)

    Recomendo efusivamente o Intuos 5 Touch (tamanho Médio); além dos tradicionais recursos da caneta, ele transforma seu computador num ‘touch-screen’, com a vantagem de não metermos o dedo no monitor :). O Intuos reconhece o toque dos dedos, fazendo todas aquelas gracinhas gestuais multi-touch (vários dedos) já estabelecidas (scroll, zoom etc.). Ele substitui — com imensas vantagens ergonômicas — qualquer mouse.

    Todos os tablets que tive, ficavam de lado, somente sendo utilizados em situações específicas, com a canetinha na mão. Mas o Intuos 5 Touch está permanentemente em uso, ‘na ponta dos dedos’.

    Uma única ressalva: ainda não resolveram uma questão no driver para Windows: o Intuos não permite nem o ScreenSaver de entrar em ação, nem o computador entrar no modo de Sleep. A solução que encontrei é desplugar o cabinho USB, para o computador descansar. Mas isso é só uma questão de esperar que na nova versão do driver isso seja resolvidol.

    Obs.: futuramente (pois ainda não está disponível), o Intuos 5 tb terá a opção de um Kit Wireless (por razoáveis US$ 40), libertando-o do cabinho USB (mas acrescentando uma bateria recarregável)

    • pronto: instalada a recém-lançada versão do driver (6.3.2w3) para Windows7, o ScreenSaver voltou a funcionar com o Intuos 5 plugado. Assim, a ‘única ressalva’ deixou de existir 🙂

  5. Se vc me tirar da sua timeline não vou ficar brava!

    Já usei bastante o twitter, mas durante o período das últimas eleições, há dois anos, acabei desistindo. Ficou muito chato, só se falava disso, era tiro pra todo lado, com agressões gratuitas a quem pensava de forma diferente, e, acabei deixando de entrar, prometendo voltar depois das eleições quando os ânimos estariam mais serenos. Só que perdi o hábito. Praticamente não entro mais lá.

    Muito de vez em quando apareço, dou um oi geral, leio o que o povo tuita e saio rapidinho. Perdi o hábito, o gosto, a paciência.

  6. E eu acho que ainda não descobri o twitter. Não sei se tenho seguidores e imagino que sigo pessoas, mas nem sei pra que serve isso. Consulto minha própria timeline duas vezes por ano, e talvez só acesse mesmo a minha conta para saber notícias fresquíssimas… sobre o trânsito! Será que isto é ruim?

  7. sigo quem leio e leio quem sigo. sem excesso, nem desperdício.

    o problema disso é que, para o twitter, minha conta não conta, por isso, volta e meia, algo some.

    não excluem a conta, mas devem arquivar as mensagens, jogando-as em algum lugar inacessível. mantêm o contador com números altos, mas as mensagens vão para o brejo.

    noutras vezes comem a senha e travam tudo.

    enfim, quando percebi que o twitter se dava ao trabalho de apagar minhas mensagens depois de uma semana, escondê-las, ou arquivá-las, sei lá, resolvi eu mesmo ir apagando depois de publicar. assim, não sofro a perda, por mais insignificante que seja.

    é o lado ruim de se hospedar mensagens num servidor que não tem a menor responsabilidade de armazenar ou deixar acessível. é de graça, né? é assim mesmo…

  8. O meu “Face” serve para “divulgar” alguns posts do “Mukandas” e para a Arminda xeretear o que dizem os familiares que se abrem demais no site! 🙂 Mas acho o Facebook muito interessante para as pessoas se encontrarem.

  9. Estou, já há algum tempo, numa recaída no Twitter. No anterior, que cancelei, coloquei algumas fotos e tuitei poucas coisas com zero resposta. Pela crônica falta de tempo, considerei absurdo eu ter uma conta. Num acesso de achismo de que “agora tenho mais tempo”, abri nova conta e segui umas vinte, nelas incluindo O Globo. A minha unica seguidora é tão ausente quanto eu e a vez que recebi uma resposta a um tuíte, fiquei estupidamente alegre. A Sarah Chang, de quem sou admirador com discos autografados, disse-me “que estaria em Singapura em Abril”. Uso o twitter apenas para ler tópicos de notícias do Globo no blackberry, quando estou esperando a minha vez em algum lugar.

  10. Desisti de twittar antes de ter twitter.
    Pra mim, já é suficientemente difícil aturar quem atualiza status no facebook como se fosse muito importante o mundo saber se “o bolo que eu fiz estava uma delicia” ou “calma, já volto. Começou a novela”. Imagina aturar twitter!!
    Além do mais, eu não sigo ninguém. Admiro, acompanho, leio…mas essa coisa de ser “seguidor” sempre me cheira a seita…Rs

    • pra ver como tem gente que complica as coisas.

      Plaza, se entendi, você confundiu assinaturas de contas no twitter com pessoas? é isso?

      quando a Cora diz que fez faxina na timeline, obviamente, não atirou ninguém na lixeira. nenhum tuiteiro foi morto, mutilado, ou mal tratado durante a realização dessa tarefa. está claro?

      a autora do post não faxinou pessoas, mas mensagens. e ainda há alguma diferença entre as duas… eu creio.

      (comentário meu: algumas pessoas até que mereceriam ser faxinadas. basta ver o noticiário para encontrar várias. assassinos, políticos, desumanos, gente que abandona ou judia de bichos de estimação…)

      • É isso que dá ficar muito tempo tuitando ::)
        Corinha, nunca tive muita vontade de entrar no twitter, e só entrei no facebook na terceira tentativa, mesmo assim tento ficar o mais anônima que posso. Não dá pra imaginar isso de falar com um monte de desconhecidos todo o tempo, isso pra mim é escravidão. Agora, tenho de confessar que existe um certo vício na frequência ao face, sou facilmente viciável em anything ::) Por isso, agradeço aos céus que não me deixaram encontrar alegria no twitter 🙂 bjo, vera

  11. Denise Weller essa semana comprarei uma stylus, me recomendaram a Griffin para desenhar no Brushes, mas vou olhar a que vocês recomendaram.

    Esposa perdiu para fazer um desenho e tive que fazer com os dedos, mas só posso mostrar no mês que vem.

    =)

  12. Tem o Hello Crayon e o Hello Oil também e, se você comprar o pacote com as cores e fundos, poderá usá-lo em todos os aplicativos
    Gosto muito da canetinha da Wacoon.
    Também fiz uma faxina, mas no Instagram, com o InstaFrManager app. e eliminei 529 “fantasmas”, entre seguidores e seguidos, vale dizer: gente que não estabeleceu qualquer tipo de troca e não se manifestou, diante de 60 imagens colocadas on line, numa média de 3 meses.
    Muito útil seu artigo. Mas, no Twitter, praticamente só sigo instituições e a maioria- como o telescópio Hubble da NASA -não me segue. 😀 Ainda bem, né? 😀

  13. Descobri que posso adicionar tuiteiros em listas, sem que eu os siga, deixando minha timeline praticamente limpa.
    Uso o Twitter como um leitor rss, com portais e jornalistas separados em listas por assuntos, já que um reply pode substituir um email e a timeline, confesso, se transforma num MSN aberto entre os velhos compadres da rede.

    =)

Diga lá!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s