Rodrigo Belchior: uma vida afinada com a educação

Ele nasceu no Dona Marta e cresceu no meio da guerra. Foi colega de escola de Marcinho VP, perdeu vários amigos, viu a casa da família ser  invadida por traficantes. Muitas vezes saiu para trabalhar no meio do tiroteio: aos 13 anos, já era entregador do Globo, tinha orgulho da carteira assinada e não queria perder o emprego. Hoje, aos 36 anos, Rodrigo Belchior é um homem realizado. Fez música na Unirio, pós-graduação em educação na Candido Mendes e, sempre trabalhando com meninos de comunidades, já teve a alegria de ver alunos seus formados e passando adiante o que aprenderam com ele. No Dona Marta, já existe uma terceira geração tocando, transmitindo conhecimento e resgatando a autoestima e a cidadania das crianças, a seu ver a função primordial da educação nas comunidades. Professor dos colégios Andrews e Santo Amaro, ele também dá aulas para os professores da Escola de música da Rocinha, e faz palestras sobre educação musical pelo Brasil inteiro. Seu entusiasmo pelas possibilidades sociais do ensino não tem limites; afinal, ele é a melhor prova do que uma boa educação pode oferecer.

— Quando eu comecei a estudar, ninguém perto de mim sabia o que era universidade — diz. — Essa é uma conversa que simplesmente não se ouve nas comunidades. “Quero ser mecânico”, “Vou trabalhar na obra” – as conversas são essas. Ninguém entende muito bem para que estudar, é algo que está muito distante da realidade. Atualmente, há anúncios de universidade por toda a parte, mas fazer uma faculdade nem entra nos sonhos de quem não terminou sequer o ensino médio. Terminar o ensino médio, aliás, é um trabalho enorme para um menino pobre, que geralmente estuda de noite, depois do trabalho. E o desânimo? O ambiente de boa parte das escolas públicas não é favorável, não dá vontade alguma de estudar ou de ir à aula. Todo o contexto, que vai da família à escola, é desfavorável. Numa comunidade, os pais não educam os filhos para serem alguma coisa, educam para não serem: eles não querem que os filhos sejam bandidos, e só. Mas a educação é feita para valorizar: você vai ser um médico, um advogado, um professor… Os meus filhos vão fazer universidade porque falo com eles, sento para desenhar e conversar, falo o quanto é importante estudar. O universo da escola e da universidade faz parte da linguagem familiar. Estou fazendo isso com os meus filhos e com os meus sobrinhos, que crescerão com uma perspectiva completamente diferente daquela com que eu cresci. A importância do ambiente familiar não pode ser subestimada. Fui o primeiro da minha família a ter curso superior; com isso trouxe uma das minhas irmãs, que se formou em fisioterapia, outra irmã que se formou em pedagogia na semana passada, e estou tentando trazer uma terceira irmã. Sou um apaixonado pela educação. Ela mudou a minha vida, e pode mudar a de muita gente.

Até hoje, ele é amigo do seu melhor professor:

— Volta e meia me perguntam quem foi o meu primeiro professor de música. Passei anos respondendo uma besteira: “Tinha uma professora na escola pública…” Até que um dia pensei, não, não foi essa a minha verdadeira professora! Foi o meu professor de ciências José Cardoso. A professora de música dava uma escala, mandava todo mundo decorar. Passavamos meses naquilo, era uma chatice. Um dia, o professor de ciências mandou que um batucasse na mesa, o outro na parede, o outro batesse palmas. E disse para prestarmos atenção aos vários sons, e às diferenças entre eles. Até então, eu nunca tinha prestado atenção nisso. Eu não tinha essa escuta ativa, que só desenvolvi a partir das aulas dele. Na semana seguinte, ele carregou a turma toda para o Leopoldo Miguez para ouvir um concerto. Sentou todo mundo lá na frente: “Vale nota! De ciências!” Fiquei babando, deslumbrado com um solo da flauta. E aí é que começou tudo.

Essa é a experiência que ele tenta passar para os seus alunos: mais do que ensinar uma disciplina, espera ensinar o gosto pelo estudo e a crença no poder da educação. Nesses tempos de fama instantânea via YouTube, não é uma tarefa simples. Aprender toma tempo e não oferece resultados ou recompensas imediatos. Há sempre alguém que pensa em desistir no meio do caminho e, pior, alguém que sucumbe à tentação permanente do tráfico de drogas. O bom professor tem que estar muito atento, e ter a manha para convencer as ovelhas desgarradas.

A vida do menino Rodrigo foi dura, e daria um filme ou um romance. Mas sempre com uma pegada leve e ligeiramente cômica mesmo nos momentos mais difíceis: ele não acredita em drama, e acha que tudo se resolve melhor com humor e com gentileza. Quando era bem pequeno, ia para a feira, para carregar as sacolas das velhinhas. Ganhava uns trocados e comprava as suas caixas de lápis de cor. Aos nove anos, foi promovido: conseguiu um carrinho de caixote de bacalhau, e passou a carregar compras maiores. Pouco depois, passou a auxiliar de uma barraca de frangos. A dieta da família melhorou muito. Ele levava para casa as cabeças, pés e pescoços das galinhas, desprezados pelas madames.

— Nós passamos a comer direito, mas, em compensação, pegamos um verdadeiro enjôo de canja com o passar do tempo. Era canja no almoço, canja no jantar, canja no café da manhã.

Um dia, soube que O Globo estava contratando entregadores. Apresentou-se, conseguiu uma vaga e deu adeus à feira e às galinhas. Trabalhava de madrugada, e se divertia com o que fazia. Passou a conhecer pessoas de todos os níveis sociais e de todas as profissões. Alguns pediam que tocasse a campainha quando chegasse para acordarem para ir para o trabalho, outros ofereciam cafezinho. O Natal era bem recheado. Também, não havia quem não se encantasse com o menino alegre e despachado, sempre de bom humor.

— Nem tudo era tranqüilo, — lembra  ele. – Durante uma época, eu entreguei jornais perto do cemitério. Imagina o que é isso na cabeça de uma criança, passar de madrugada perto de um cemitério… Havia dias em que era muito complicado sair e entrar no morro, havia tiroteios pesados. Mas, no fim, tudo dava certo. Por ter essa experiência é que não concordo, de jeito nenhum, com a proibição do trabalho para menores. Se há tanta gente hoje no tráfico é, em grande parte, porque não há trabalho em outros lugares. Eu comecei a trabalhar muito cedo e isso não me diminuiu em nada.

Rodrigo foi estudar música por insistência de um amigo, que queria companhia. Inscreveu-se num projeto tocado pelo Museu Villa-Lobos, dirigido por Turíbio Santos, que oferecia bolsas para jovens da comunidade para a Escola Brasileira de Música. Conquistou uma das vagas, e ganhou uma flauta do Museu.

— Quando apareci em casa com a flauta, minha mãe logo quis saber onde eu tinha arranjado aquilo. Estava com medo que eu tivesse roubado. Brinco muito com ela até hoje por causa disso, mas reconheço que, do ponto de vista dela, era esquisito mesmo: cheguei em casa com aquele negócio de prata novinho, no plástico – peraí, que história é essa? Ela foi no Villa-Lobos saber, perguntou para todo mundo o que estava acontecendo. Aí veio o meu pai, dizendo que eu tinha que trabalhar, que aquilo não ia me dar futuro. Eu peitei. Disse que não queria passar a vida inteira entregando jornal. Eu queria sair da madrugada para ser um flautista. O mais engraçado é que eu tenho amigos bem de vida que também questionam a minha escolha profissional. “Mas logo música? Como é que você vai viver disso?” Mas  já comprei apartamento, tenho casa de praia, troco de carro. Está de bom tamanho.

Na verdade, está de ótimo tamanho. O que muita gente de classe média não consegue, o menino oriundo de uma comunidade carente conquistou bem antes dos 40. Rodrigo, porém, não gosta da expressão “comunidade carente”, já que a carência não é um atributo exclusivo das comunidades. Um dia, quando trabalhava no projeto Villa-Lobinhos, que funcionava numa linda casa na Gávea, foi procurado por uma elegante senhora da vizinhança, que queria matricular o filho. Ele explicou que o projeto era para crianças carentes. “Mas o meu filho é a pessoa mais carente do mundo” retrucou a senhora. “Está na terapia há anos!” Rodrigo aprendeu a lição.

Como todo mundo que, de uma forma ou de outra, está envolvido com projetos sociais, ele também anda em busca de verbas. Atualmente procura patrocínio para a orquestra do extinto Tim música nas escolas, que foi abandonado pela operadora depois de seis anos de bons serviços.

— Essa orquestra começou em três escolas da rede municipal. Muitos jovens que passaram por lá encontraram um rumo: uma acabou de entrar para a faculdade de psicologia, outra entrou para pedagogia, uma terceira já está no meio do curso. Todos nasceram em comunidades, estudaram em escolas públicas e muitos já estão na universidade. É um trabalho que vem rendendo frutos há anos, seria uma pena interrompe-lo.

(O Globo, Rio, 27.5.2012)

Anúncios

13 respostas em “Rodrigo Belchior: uma vida afinada com a educação

  1. A bela história de Rodrigo é a história de quem persevera apesar das adversidades, de quem olha para o futuro, vê um destino melhor e não mede esforços para chegar lá.
    Parabéns, Rodrigo!

  2. É bom e raro ver crônicas positivas, embora n aqui. Temos q incentivar o esforço de gente como Rodrigo. Admira muito. Ocorre que poucos são capazes de triunfar diante de tantas adversidades. Se as circunstâncias não forem mais favoráveis, a maioria dos pobres seguirá como mecânicos e pedreiros, longe da instrução ou sujeito a educação de má qualidade. Quando não se vê tamanha boa vontade, precisamos contar com outra coisa mais confiável que a sorte para servir de incentivo. Aí infelizmente entra a política.

  3. Parabéns ao Rodrigo, artista e educador, e ao Turíbio Santos, idem.
    Este relato pungente da vida dele, tão bem escrito pela Cora, me lembrou outro- que ouvi muito – de um vendedor de amendoim em um parque de BH. Mas, isto já é outra história e menciono, apenas, para, novamente, elogiar a persistência das pessoas nas condições mais adversas.

  4. E-DU-CA-ÇÃO!

    Palavra que significa solução para a maior parte dos problemas deste país: desemprego problemas de saúde, de trânsito, de corrupção, de ensino, de tantos outros.

    Já virei até a chata que pra maior parte dos problemas responde que “isso só vai melhorar quando houver educação nesse sentido”. Porque a educação diz não apenas qual é o problema, mas aponta a solução, ensina qual é o modo certo de fazer uma coisa. Quando a educação é boa grava na cabeça das pessoas qual o caminho pra se fazer algo, por que deve ser feito daquele jeito e não de outro, torna as pessoas mais conscientes.

    Parabéns ao Rodrigo pela vontade de aprender e a todos que o apoiaram. E obrigado ao Rodrigo por estar levando adiante projetos tão bons.

  5. Educação, educação, educação! A força de vontade e a determinaçãp dp Rodrigo não teriam dado em nada se ele não tivesse enveredado pelo caminho da educação!
    Parabéns, Rodrigo!
    Cora, como sempre, fez um lindo perfil!

  6. Rodrigo é um exemplo de persistência e de trabalho. Quem poderia ajudá-lo na continuação do trabalho das orquestras? Com tanto desperdício de dinheiro neste país, será que alguma autoridade, ou algum mecenas, abraçaria a causa? Vamos torcer.

Diga lá!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s