A #cpbr5 e os blogs

Não consigo imaginar um lugar mais interessante para um estudante passar a semana do que a Campus Party, grande pajelança tecnológica que reuniu sete mil pessoas no Anhembi, em São Paulo, e que termina amanhã. Os organizadores usam termos superlativos para descrevê-la, o que é compreensível (e verdadeiro) mas, de tudo o que dizem, a melhor definição talvez seja a que compara o evento à “internet de carne e osso”: é para a Campus Party que convergem membros de diversas tribos que se comunicam online para animados encontros ao vivo, sem hora para começar ou terminar.

Como funciona a coisa? Em linhas gerais, assim: a organização oferece um espaço para que os campuseiros armem suas barracas e instalem os seus computadores, mais internet de banda muuuuito larga e atrações de todos os tipos dentro do variado leque da cultura geek. O espaço onde ficam os computadores e onde vão ao ar palestras, debates e concursos, não é fechado em momento algum. São 24 horas de atividade porque, como é sabido, nem todos os bípedes são iguais, e muitos cultivam hábitos noturnos.

No dia em que estive lá, por exemplo, passei por uma palestra viajante que abordava a existência de discos voadores como fenômeno real e reconhecido por vários governos mundo afora, ao lado de um debate muito pragmático sobre empreendedorismo na internet – apenas dois exemplos dos extremos que, no encontro conhecido como #cpbr5 , se tocam continuamente. Entre palestrantes e debatedores, há de nomes conhecidos por apenas meia dúzia de pessoas a estrelas internacionais com centenas de milhares de seguidores no Twitter.

A qualidade da turma enche o coração de alegria. São meninos (e algumas meninas) inteligentes, ligados, com excelente conhecimento das áreas que curtem. Conversar com eles é interagir com gente grande, na melhor acepção do termo.

Minha participação na festa foi debater com Carlos Merigo (Brainstorm 9), Thiago Mobilon (Tecnoblog), Pedro Burgos (Gizmodo Brasil), Clara Averbuck e Alexandre Inagaki (Pensar Enlouquece) algo que recebeu o título de “O fim da blogosfera moleque”. Basicamente, pensamos em voz alta sobre a evolução dos blogs ao longo da última década, uma evolução que, na verdade, não surpreendeu a nenhum de nós, blogueiros de primeira hora, que sempre acreditamos no poder da comunicação online, e que vimos os indefectíveis diários de adolescentes transformarem-se, com o tempo, em ferramentas profissionais respeitadas.

O que nós observamos, recentemente, e que não era possível adivinhar no “mapa astral” dos antigos blogs, foi a interferência das redes sociais nas caixas de comentários. Quanto mais crescem as redes, mais diminui a quantidade de comentários nos posts – não porque eles não sejam lidos, mas porque os leitores têm mais canais para divulgar a sua opinião. Assim, um tema postado num blog ganha repercussão no Twitter e no Facebook, para além dos limites da blogosfera.

As caixas de comentários, por sinal, continuam sendo um grande problema. Elas têm o estranho poder de atrair o lado negro da força, e de nos fazer perder a fé nos nossos semelhantes. Muitos blogueiros já jogaram a toalha e simplesmente as desabilitaram; outros, mais pacientes, continuam capinando fora as intervenções de trolls e outras almas mal-amadas. O preço de uma caixa de comentários saudável ainda é, infelizmente, a eterna vigilância.

(O Globo, Economia, 11.2.2012)

Anúncios

5 respostas em “A #cpbr5 e os blogs

  1. Aproveitando a onda deixe-me dizer tb q além de me beneficiar desse blog delicio-me diariamente com o Planeta Cora. A jornalista “enche, povoa tudo: de íntima paz, vida e conforto”… Não fosse eu um mancebo estúpido, pediria sua mão em casamento. Muito obrigado (e não canso de agradecer)

  2. Oi Cora. Com um pouco de vergonha afirmo que não conhecia o seu blog até que você apareceu na Campus Party. Foi com certeza uma felicidade descobrir um blog do tipo clássico, com textos deliciosos e fotos de gatos. Foi ótimo lhe descobrir. Beijos

  3. Cora, assisti sua palestra, na Campus e adorei Parabéns pelo seu trabalho e pelo blog que acompanho faz um bom tempo. Conheci esse espaço pois o Alexandre Inagaki (Pensar Enlouquece…) citou um artigo seu. Sou seu fã. Beijos.

Diga lá!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s