Uma revoada de estorninhos

O nome deste fenômeno, em inglês, é “murmuration” — um murmúrio de aves. Há muitos anos, no Hotel Porto do Sol, em Guarapari, vi uma revoada parecida com essa, só que de andorinhas: quando elas passavam por cima da gente, era possível sentir o vento e o calor das suas asas.

Anúncios

38 respostas em “Uma revoada de estorninhos

  1. AMEI…AMEI…AMEI… sonhei… viajei…dancei… achei lindo e fiquei encantada… tem momentos em que consigo me desligar de todas as coisas ruins e tristes e me sinto no meio desta revoada como se estivesse dançando junto… obrigada por este momento de encaantamento.

  2. Descobri porque não precisa de Lei Seca ou controladores de voo no trânsito frenético dos estorninhos!

    “Uma característica interessante e menos conhecida dos estorninhos é a sua capacidade de ingestão de álcool. Graças a uma enzima específica que produz, consegue processar o álcool 14 vezes mais rapidamente que um ser humano o que lhe permite ingerir em grandes quantidades uma série de frutos e bagas que tendem a fermentar a partir de certo nível de maturação[1].”

    🙂
    Nunca tinha ouvido falar o nome dessa ave. ‘Estorninho’
    Gostei! Legal, Corinha.

  3. É lindo e de cair o queixo. Inveja de ti Cora que já presenciou o lindo ballet. Comigo, mesmo trabalhando na área, nunca aconteceu! Fazer o quê?

    Sortuda hahahaha

  4. Lindo!

    Kropotkin, príncipe e teórico do anarquismo, escreveu ‘ Ajuda Mútua’, uma espécie de contraponto (não refutação) ao pegapacapá da seleção natural de Darwin. Ele descreve animais brincando e bailando pelo prazer da coisa, sugerindo que a arte pela arte não é privilégio humano. Eu já observei urubus aproveitando ventos contrários para pairar feito helicópteros, dava pra ver os bichos negociando com a ventania, manobrando delicadamente a ponta das asas, só pra transar um voo librado.

    E por falar em dança, o canal futura costuma mostrar programas de dança contemporânea, a qual, na minha soberba opinião, consiste em um bando de maltrapilhos restejando no palco como metáfora da bosta que é a vida contemporânea, etc.

    • Gostei mt de conheçer esse contraponto do Kropotkin. Saberia dizer onde posso ler mais sobre isso? Um abraço!

    • eugenio (caju azedo): obrigado pela lembrança do Kropotkin. Já encomendei três livros dele, na Amazon.
      Dica: no pé do verbete linkado, em ‘External Links’ tem de onde baixar a íntegra do livro, na versão digital gratuita, inclusive em Audio Book
      E que, na Amazon, “Mutual Aid – a Factor of Evolution”, para o Kindle é gratuito.

      Sobre o elegante vôo dos urubus, o jornalista (e piloto de utra-leve) Armando Nogueira é que diz: “O vôo solene e majestoso o do urubu. Luto fechado, coisa nenhuma. Urubu veste de traje a rigor
      Armando Nogueira:
      Na Outra Encarnação
      Os Amigos do meu Ultra-Leve

      O programa de ‘Dança Contemporânea’ (no canal SESC) é ‘private joke’ na minha família, com comentários semelhantes ao seu 🙂

      Abraços anarquistas,

      • Abraços! Agradeçamos à Cora, que cutuca a memória da gente, que nos lembra incansavelmente da nossa condição de bípedes, e que também não deve gostar muito de gente humana estrebuchando bailados a quatro patas.

      • Esses programas de “Dança Contemporânea” são tão horrorosos quanto urubus em terra firme. Bonitos mesmo , só de longe e voando….
        Aliás todo vôo é sempre lindo.

  5. Cora

    De acordo com nosso guru, TT, fica mais fácil para você, ao invés de ver um Murmuration, testemunhar um Clowder, ou Cluster, ou Clutter, ou Glaring ou Pounce…

  6. Eu me fiz a mesma pergunta que a Laura, mas acredito que elas sigam um lider. O que explica, mas torna tudo ainda mais extraordinário.
    Lindo de se ver, de longe. De perto, lembra “Os Pássaros”, de Hitchcock.

  7. Eu, que não consigo andar em Copacabana sem tropeçar num monte de gente, o que queria saber é como é que eles fazem para não se atropelarem na coreografia…

    • oi Laurinha: veja minha resposta à Regina, abaixo

      pois é: em contrapartida, acho que é matematicamente impossível criar um algoritmo que reproduza o abominável comportamento irracional, abobalhado e indeterminado dos pedestres cariocas. É um bando de descerebrados sem noção nem de objetivo (para onde ir), nem de perceber que existem demais pessoas ao redor.

      Caminhar nas nossas calçadas é um tormento, ou um divertido video-game*. Brinco com meus sobrinhos que descobri o segredo do talento dos jogadores de futebol: é que eles aprenderam a driblar ziguezagueando entre os pedestres, antecipando os inesperados bloqueios do trajeto, pré-visualizando por onde seguir
      🙂

      *ps: desde que eu passei a encarar os pedestres como um desafio de Video-Game, melhorou muito meu humor nas minhas deliciosas caminhadas 😉 (faço tudo a pé; morando em Ipanema, meu raio-de-ação habitual vai do Shopping da Gávea ao Cine Roxy/Papelaria Casa Cruz, podendo chegar ao Shopping da Figueiredo Magalhães, quando preciso de peças de eletrônica ou ferramentas)

  8. Como a natureza é maravilhosa. Lindo espetáculo. As formas e ondas são um prato cheio para físicos e matemáticos. A musica sempre ouço com a orquestra de Cordas da Grota.

    • acertou em cheio, Regina: até hoje me lembro do meu deslumbramento com uma ‘fita video-demo’ da SIGGRAPH (Association for Computing Machinery’s Special Interest Group on Computer Graphics and Interactive Techniques): havia uma animação em CG (Computer Graphics) de um cardume de peixes em baixo d’água e uma revoada de pássaros acima d’água.

      Um matemático/programador havia conseguido desenvolver um algoritmo para simular o movimento fluído de um grupo de animais. Ou seja, não era preciso animar cada um, individualmente. São as variações e refinamentos deste algoritmo que permitiram também criar multidões ou exércitos nos filmes como “LOTR” e tantos outros.

      Lembrando que, desde Leonardo da Vinci, os matemáticos estudam o vôo dos pássaros e as ondas

      Bjs matemáticos,

  9. Lindo ballet aéreo. E eu me pergunto: o que leva essas criaturas a promover essa dança no céu? Êles devem estar querendo escrever algo com as asas…

Diga lá!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s